Como Iniciei na TCI – Suely Pinheiro

Como Iniciei na TCI – Suely Pinheiro

Uma perda irreparável de um filho , me fez transitar sobre diversos temas da paranormalidade, mas foi na Transcomunicação Instrumental que encontrei o meu porto seguro, a minha obra.

Obtive conhecimento da técnica em Transcomunicação Instrumental através de reportagens em televisão, livros e revistas. Iniciei as pesquisas em abril de 2000 e procurei me certificar dos métodos adequados para efetuar um bom trabalho. Inicialmente, tive dificuldades em escutar as vozes que vinham muito baixas, por isso fiz uma pesquisa na Internet para buscar orientações. Encontrei no site de Paulo Cabral e Phyllis Delduque a oportunidade de conhecer os aspectos mais técnicos do processo e, através de contatos com esses dois transcomunicadores pude desenvolver a minha pesquisa com mais segurança. Atualmente, já consigo identificar vozes mesmo estando baixas. Nessa época utilizava como fonte de ruído as emissoras estrangeiras, predominantemente a rádio chinesa, por ser a que me facilita a identificação das vozes.

As gravações eram realizadas em minha própria casa, com o uso de um computador e um radio comum com alcance em ondas curtas. O procedimento era realizado diariamente e geralmente à tarde, por conveniência minha. A duração de cada gravação variava de um minuto e meio a três minutos aproximadamente e a sua avaliação durava em torno de duas horas. Essa avaliação inclui a versão normal da gravação e seu reverso. Tenho recebido mensagens significativas e de grande ajuda para o meu próprio crescimento interior. Quero apenas mencionar dentre muitas mensagens recebidas , uma que recebi no dia 8 de maio de 2002 quando perguntei a respeito da saúde de meu sobrinho de 1 ano e 5 meses que vinha apresentando sucessivas indisposições que nos preocupavam muito, e como resposta a este meu questionamento fui informada pelo Comunicante que o problema físico do meu sobrinho estava relacionado com o Ouvido. A entidade foi muito objetiva respondendo (m) ”É o Ouvido”. Logo eu tenha recebido esta informação foi detectado pelos médicos que o acompanham que o problema que vinha ocorrendo no momento com ele era realmente o ouvido (OTITE).

Duas mensagens me marcaram muito em toda essa busca. A primeira recebida no dia 1 de maio de 2002 em que solicitei para os Comunicantes falarem o nome de meu filho falecido e imediatamente recebo a seguinte resposta: (m) “Ok. Leonardo está aqui”. Esta resposta me causou um impacto muito grande trazendo-me enorme emoção, ficando mais ainda motivada a prosseguir.Escutar o nome do meu filho e saber notícias dele através dos Comunicantes do Além, causou-me, conforto amenizando um pouco a dor de uma saudade.

A segunda mensagem recebida no dia 29 de maio de 2002, fiz a pergunta em pensamento para que os Comunicantes falassem o meu nome e a resposta veio com muita nitidez (m) “Teu nome é Suely”. Tendo essa mensagem como reverso: “Disse o seu nome”.
Confesso que a partir dessas duas experiências eu não tive mais a menor dúvida em relação ao fenômeno das vozes e me sentiria muito recompensada confortando os pais que perdem seus filhos assim como fui confortada, através da transcomunicação Instrumental. Embora meus recursos sejam limitados, essa experiência em TCI tem sido ao mesmo tempo gratificante e estimulante. Por essa razão, minha intenção é aprofundar-me nesses estudos e aprimorar a técnica cada vez mais para melhores resultados .

Atualmente estou desenvolvendo e aprimorando técnicas de captação de vozes e imagens com a colaboração constante de nossos amigos do além, uma parceria de interesse mútuo de muita elevação espiritual por parte dos comunicantes. De minha parte , asseguro a seriedade o amor e a persistência. Tenho a certeza de que com o auxílio de instrumentos adequados e de vibrações positivas, perseverando sempre com amor, conquistarei bons resultados nesta investigação. Tenho recebido, também, dentre tantas mensagens, algumas de melhoria espiritual trazendo paz para o meu dia a dia e algumas vezes para aqueles que me cercam, sejam amigos ou parentes. Descobri que a TCI além de ser um caminho para receber mensagens com as respostas ao nosso questionamento, é também uma forma de união. Uma ponte de amor do qual construimos amizades com os “Daqui e os de Lá”.


Suely Pinheiro

Suely Pinheiro

Pesquisadora de Transcomunicação instrumental, operadora de TCI, coordenadora nacional da Rede TCI Brasil e ministrante das aulas virtuais de TCI da Rede TCI Brasil.‏


Você já teve alguma experiência de TCI? Deixe abaixo, o seu comentário.